quinta-feira, 17 de setembro de 2015

...a fúria da minha calma

DE: PARA:

Aos inimigos, a fúria da minha calma
O silêncio é a vingança
Que vem do fundo da alma
Onde a inveja não alcança

(Climério)

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Cordão de isolamento

Acesso perdido
Coração banido

Restrição no peito
Desejo interrompido

Pedido ignorado
Amor magoado

Sobras de tudo
Sentimento no mudo

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Descrente duvidando esperando acreditar

Ando tão descrente. Logo eu, tão otimista com o mundo, ando descrente de tudo. Sobretudo, descrente com outras pessoas. Sinto tanta dificuldade de confiar nos que chegam que até entristeço.

Ando duvidando até do amor, meu e alheio. Na verdade, a verdade - que é frágil - parece ser mutável. Agora é, amanhã não é mais. E quem sou eu pra julgar se era verdade ou se será mentira?

Ando esperando. E esperar também é esperança. Há de ser. E minha descrença haverá de ser apenas uma temporada. Por isso torço para que nessa fase eu me reencontre e encontre motivos para crer que ainda vale acreditar.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

De: Anna / Para: Anna

É aqui que transformo meus lamentos reais em virtuais. Fujo do abate e me apresento pro combate. Uso de 'escape' e escapo do debate com conhecidos sobre mim. Despacho nas palavras as dores, as angústias, as dúvidas, as certezas. Transmito (e até minto sobre) sentimentos. Rimo rindo, rimo chorando. Da emoção faço ficção. Da loucura trago minha cura. E na continuidade ganho eternidade.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Um mais um

Novos começos. Novos meios. Novos chamegos. Novos dengos. Novos romances. Novos sabores. Novos cheirosNovos desejos. Novos planos. Novos instantes. Novos antes. Novos depois. Novos dois.